Calotes na tradução


Você já tomou algum calote? Eu já! Infelizmente, essa “prática” acontece em todas as áreas na prestação de serviços. Eu sempre vejo nos fóruns de tradutores na internet que meus colegas acham que os calotes são mais comuns na tradução do que em outras áreas. Mas eu não concordo. Acho que calotes acontecem em todo lugar, tanto de clientes que recebem o trabalho e não pagam quanto de profissionais que recebem e não entregam o trabalho.

O que nós, tradutores, podemos fazer para evitar calotes? Vou mostrar algumas coisas que faço e que têm dado certo até o momento.

Use um site de intermediação para evitar calotes

Eu consigo uma boa parte dos meus clientes usando o Upwork. O Upwork é um site de freelance jobs que atrai clientes do mundo todo e os colocam em contato com freelancers do mundo todo também. Quando o cliente faz um pagamento, o site fica com uma porcentagem.

Então, essencialmente, o site recebe justamente para fazer essa intermediação. Digamos que o cliente te contrate para fazer um job de 100 dólares. Você só pode começar a trabalhar ao ver que o contrato realmente está com fundos e que o pagamento do cliente deu certo. Depois de receber o trabalho, o cliente pode conferir o resultado e liberar os fundos para o freelancer.

Dessa maneira, o cliente não corre o risco de pagar por algo sem receber e nem o freelancer corre o risco de ficar sem receber por algo que entregou. O único cuidado que você, tradutor ou tradutora, deve ter é não começar a trabalhar sem que o contrato esteja com os fundos necessários. Então, se o cliente te contratar para fazer um job de 100 dólares, ele deve te fazer uma oferta de 100 dólares para você aceitar. Depois de você aceitar, se certifique que a milestone esteja com fundos (estará escrito funded ao lado dela).

Então, esses são os dois cuidados que você deve tomar: certifique-se de estar contratado através do site e tenha certeza de que os fundos estejam no site pronto para serem liberados. Tomando esses dois cuidados, será muito difícil tomar um calote no Upwork. Eu, até o momento, não tive experiências ruins nesse quesito.

Cuidado com os swindlers, meus amigos!

Aposte na relação com o cliente para evitar calotes

Eu tenho um foco muito intenso na relação com o cliente. Percebi muito cedo que, ao trabalhar pela internet com clientes internacionais, é comum que o relacionamento com esses clientes se torne distante e frio. E esse relacionamento distante e frio pode ser um ambiente propício para mal-entendidos ou calotes.

Então, tente se tornar próximo do seu cliente que está, possivelmente, do outro lado do mundo. Já falei anteriormente sobre como lidar com clientes estrangeiros e acho que muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre isso.

A minha dica é: use uma linguagem 100% profissional, mas evite soar formal demais e, principalmente, arcaico. Sempre que um cliente compartilhar alguma informação a mais ou demonstrar interesse em algo que você comentou, tente iniciar uma pequena conversa paralela. Nada muito longo ou complexo, afinal ninguém tem tempo. Mas algo que você faria se estivesse lidando com um cliente pessoalmente.

Você já imaginou participar de uma reunião com alguém sem ao menos perguntar um “como vai?” Apesar de isso acontecer às vezes, é algo muito mais comum na internet do que presencialmente.

Então, sugiro que evite deixar que a comunicação entre você e o cliente se torne robótica. Além de evitar uma série de problemas, uma relação mais natural é justamente um dos maiores fatores que contribuem para conseguir clientes de longo prazo.

Adicionalmente, a pessoa que entra numa negociação já com a intenção de dar um calote geralmente tenta não se aproximar muito do prestador de serviço. Caso você encontre um cliente que tente se esconder demais, não mostre o nome da empresa ou que já chega cheio de desculpas antes mesmo da negociação começar, desconfie.

Fiz também um vídeo falando sobre sequestro de currículo que, apesar de não ser um calote, é algo com o qual devemos ficar atentos. Você pode conferi-lo abaixo: