Como traduzir mais em menos tempo


Quem me conhece sabe que eu gosto muito de pesquisar sobre produtividade. E todos que trabalham com tradução eventualmente precisam começar a traduzir mais em menos tempo, caso queiram ganhar mais dinheiro.

É claro que conseguir clientes é o foco para quem está começando, mas depois de conseguir uma base consolidada de clientes, o profissional terá que aprender a traduzir mais em menos tempo, já que só temos 24 horas por dia. Ou seja, uma hora ou outra o profissional terá que aumentar sua produtividade, seja para conseguir ganhar mais dinheiro, ou seja para conseguir mais tempo para outras prioridades (tais como estudos da tradução).

Com o tempo, aprendi certas técnicas que aumentaram minha produtividade. Sugiro que você teste algumas delas para ver se a sua também aumenta.

Aumente sua produtividade com a Técnica Pomodoro

Talvez uma das técnicas mais clássicas de produtividade, a técnica Pomodoro é usada por freelancers do mundo todo para fazer mais em menos tempo e, principalmente, sem se estressar. Resumindo a Técnica Pomodoro em alguns passos:

  • 1 – Use um cronômetro para contar 25 minutos.
  • 2 – Faça um teste para saber quantas palavras (ou folhas, linhas, segmentos, strings) você consegue traduzir usando esses 25 minutos (1 Pomodoro).
  • 3 – Se proteja de distrações. Sim, isso incluiu notificações do seu celular. Será que você consegue ficar sem WhatsApp por 25 minutos?
  • 4 – Tente medir precisamente quantos Pomodoros de 25 minutos você precisaria para traduzir um certo documento (usando a estimativa do passo 2).
  • 5 – Use os primeiros minutos do Pomodoro para recapitular rapidamente onde você estava e use os últimos minutos para fazer uma mini revisão.
  • 6 – Use todas essas informações para encaixar o job na sua agenda já considerando quantos Pomodoros você usará para concluir a tarefa completamente. Isso deixará todo o seu trabalho mais organizado, dividido em tarefas menores e assim você terá mais tempo para fazer coisas que são importantes para sua vida.

Esse é o básico. Descobri que essa técnica deixa o trabalho mais leve e ágil para mim. Gostei da Técnica Pomodoro desde a primeira vez em que a coloquei em prática, mas logo de cara fiz algumas modificações e elas têm funcionado muito bem:

  • Em vez de dividir um trabalho em minutos, divido tudo o que faço em metas de palavras, páginas, segmentos ou strings. Se tenho que traduzir 20 páginas, eu começo e traduzo sem parar até meu attention span começar a cair. Quando o attention span cai, você fica mais apto a cometer erros e também fica mais lento. Então, é nesse momento que eu paro. Digamos que eu tenha traduzido 4 páginas. Nesse caso, 4 páginas seriam 1 Pomodoro.
  • Divido meu dia com os 5 Pomodoros que serão necessários para eu terminar a tradução.
  • Depois de terminar a tradução, faço a mesma coisa com a revisão, dividindo em Pomodoros e espalhando os Pomodoros pelo meu dia.
Best tip ever!

Porém, a melhor dica que tenho para se usar a Técnica Pomodoro é fazer algo completamente não relacionado entre os Pomodoros. Eu geralmente pego meu fone de ouvido, coloco um podcast e faço algo braçal, como organizar meu escritório. Assim você utiliza outras partes do cérebro, e relaxa escutando algo que você gosta, além de praticar suas habilidades de listening de quebra. Quando volto para o computador para o próximo Pomodoro, estou completamente recarregado e trabalho com performance máxima.

Só tome cuidado para não tirar um intervalo longo demais, já que isso tende a fazer com que você demore para voltar ao pico de performance novamente. Para concluir os jobs maiores, eu faço isso ao longo de dias, semanas, ou até meses, dependendo do tamanho da tradução. É possível até incluir exercícios, lanches e até sonecas entre os Pomodoros.

Outro ponto importante é sempre planejar a finalização da tradução para um horário ou dia anterior ao prazo combinado com o cliente. Assim, você poderá fazer a tradução sem se estressar e ainda ter um espaço de manobra para imprevistos que inevitavelmente virão.

Esteja ciente de que certos assuntos dão mais trabalho

Tenho alguns clientes há anos. São clientes que me mandam arquivos praticamente todos os dias. Estou tão acostumado com o conteúdo, que às vezes consigo até prever as próximas frases dele. Nesses casos, minha produtividade é máxima.

Porém, se o cliente e o assunto forem novos, é normal que eu demore muito mais para traduzir algo (dependendo da complexidade). Nesses casos, é comum que eu tenha que pesquisar termos que desconheço e até validar termos em certos sites. Portanto, terei que calcular quanto é 1 Pomodoro para esse job específico. É por essas e outras que sempre olho o conteúdo antes de dar um preço e um prazo para o cliente.

Fazer algo rapidamente não significa necessariamente ser produtivo

Na verdade, isso é algo tão importante que vou reforçar: fazer algo rapidamente não significa ser produtivo. É mais um exercício de organização e disciplina do que pressa. Afinal, você pode estar fazendo um trabalho que terá que ser essencialmente reescrito por ter sido feito com pressa. Ser produtivo significa fazer o que precisa ser feito, com qualidade máxima no menor espaço de tempo.

E depois de ouvir essa afirmação, talvez você se pergunte: mas usar a Técnica Pomodoro não deixa o trabalho mais lento?

Bom, pelo menos no meu caso, não. Se eu tentar fazer um trabalho de tradução grande sentando somente uma vez à mesa de trabalho, eu me estressarei, ficarei com dor na coluna e cometerei mais erros, o que vai atrasar o processo no final das contas. Além disso, no final disso tudo, ainda terei que fazer todas as outras coisas necessárias do meu cotidiano, sendo que algumas delas poderiam ter sido adiantadas nos pequenos intervalos que tirei entre os Pomodoros. Portanto, a técnica vale muito a pena para quem tem longas jornadas de trabalho, como meu caso.

Seja paciente. Produtividade pode ser aprendida e treinada.

Com o tempo, você automaticamente se torna mais produtivo. E, apesar das técnicas que eu estou mostrando aqui funcionarem comigo, talvez não funcionem com você. Minha dica é realmente se esforçar para descobrir o que funciona para a sua rotina. Ser freelancer significa que você tem essa liberdade. Você pode decidir quando, quanto e com quem trabalhar. Talvez num trabalho fixo seu chefe não admita que você tire um intervalo entre as tarefas, mesmo que isso gere muito mais resultados no final do dia. Como freelancer, a decisão é SUA. Afinal, você não tem mais chefes, e sim clientes.