Como ser um tradutor freelancer com clientes estrangeiros


Você curte culturas estrangerias, Tradutor Freelancer?

Toda vez que estou em um local público, com muitas pessoas falando ao mesmo tempo, e capto uma conversa em língua estrangeira, minha atenção foca nela imediatamente. Na hora eu já quero saber qual é a língua, por que aquelas pessoas estão no Brasil e da onde elas provavelmente são. Isso é um hábito que passei a ter depois de começar a trabalhar como tradutor freelancer.

Eu e o Colin, um cliente chinês.

Às vezes somente o idioma não é o suficiente para se descobrir de onde vem uma pessoa. Afinal, se falam inglês ou espanhol podem ser de uma infinidade de países. Depois de identificar o idioma, busco por pistas no sotaque, traje ou trejeitos para tentar descobrir o país de origem.

Faço isso porque gosto de estudar tudo que vem de fora da minha cultura. Além disso, isso me ajuda já que sou um tradutor freelancer e trabalho com clientes estrangeiros. Saber como tratar seu cliente, que possivelmente está (literalmente) do outro lado do mundo é essencial. Conhecer as diferenças e costumes das culturas estrangeiras é fascinante e pode ser o pulo do gato em se tratando de relações interpessoais internacionais.

O choque de culturas é inevitável. Isso acontece até mesmo em cidades que estão completamente acostumadas com turistas estrangeiros. Pegue o Rio como exemplo. A cidade é lotada de turistas do mundo todo. Porém, toda vez que as pessoas se deparam com um gringo, é uma festa.

Por que isso acontece?

É difícil saber ao certo o porquê. Mas a mesma coisa ocorre com os brasileiros, quando estamos em terras estrangeiras.

Quando você está viajando, tudo isso pode ser divertido e acaba rendendo histórias para contar. Porém, quando se faz negócios com estrangeiros a história é muito diferente.

Imagine a seguinte situação: você precisa de um tradutor freelancer de uma língua do oriente-médio não tão comum. Você busca na internet e acha um perfil interessante e começa a comunicação com esse freelancer.

O indivíduo tem um inglês impecável. Parece ser um profissional honesto. Tem vários reviews bons. Porém, ao responder sua mensagem ele diz: “Nossa! Brasil?? Que demais! Quando será a próxima Copa aí? Meu espanhol não é muito bom, mas podemos nos comunicar bem!!”

Muitos brasileiros ficariam ofendidos por pensarem que falamos espanhol por aqui, ou que o Brasil se resume somente à Copa do Mundo e futebol. Mas eu ainda fico surpreso com a frequência com que isso ocorre.

Para ser um Tradutor Freelancer e conquistar clientes gringos é preciso ser ultra formal, então?

Now, don’t get me wrong: uma pitada de informalidade é muito bom para mostrar que você é um ser humano e não um robô – algo que é essencial para as relações interpessoais online. Mesmo em comunicações altamente formais faço questão de mostrar que investi tempo escrevendo aquela mensagem. Porém, o problema é não saber o mínimo sobre o país da outra pessoa e/ou faltar bom senso.

Então, minha dica é: pesquise sobre o país da pessoa com a qual você quer estabelecer uma relação profissional. Não precisa decorar a página inteira da Wikipedia sobre a Escócia, muito menos saber todas as regras de etiqueta de email. Mas saiba qual idioma é falado lá (mesmo que vocês só se comuniquem em inglês), leia algumas notícias rapidamente (só para ter uma base do que está acontecendo no país desse cliente) e, principalmente, saiba o fuso horário em que essa pessoa está.

A mistura ideal é uma abordagem neutra levemente voltada especificamente para a cultura do seu cliente. Talvez seu cliente seja indiano e você saiba que por causa do inglês britânico falado por lá os emails são sempre encerrados com uma expressão específica. Ou talvez seja importante saber que durante o ano novo chinês o país inteiro para por alguns dias e seu cliente não vai responder aquele email super urgente – indaga-lo sobre isso pode ser extremamente desrespeitoso. Portanto, cuidado.

Se você gosta de saber as peculiaridades de cada país, talvez já faça essas pesquisas naturalmente. Eu sempre gostei muito disso e incluir isso na minha vida de tradutor freelancer é apenas mais um aspecto que me faz ser fascinado por trabalhar com tradução.

Já presenciou algo parecido? Tem uma história relacionada para contar? Let’s hear it!